<$BlogRSDUrl$>

20/12/03

Pausa 

Boas Festas para todos e até 2004!

13/12/03

De novo 

Já o disse aqui, não gosto de Miguel Sousa Tavares, mas adorei o seu livro "Equador". Não me interessa o que os críticos dizem sobre o livro. Eu gostei. E isso é tudo o que me interessa. E também gostei da excelente entrevista que MST deu ao Público.
Dá boas respostas sobre os erros históricos do livro. Entre elas uma citação de Vargas Llosa "Pois é, mas não sou historiador, escrevi um romance histórico.".
Tem toda a razão quando diz:
Um livro que chegou aos 100 mil exemplares vendidos, com mais de 500 páginas, custando 27 euros numa época de crise, um livro lido para aí por umas 300 mil pessoas e que não é nem literatura "light", nem a literatura dos monstros consagrados pela nossa crítica, é uma coisa que incomoda, chateia e causa ataques de invejite aguda como o que deu ao Vasco Pulido Valente na carta que escreveu para o PÚBLICO onde me insultou em termos primários
E ainda.
Acho é que têm imensa inveja porque não podem dizer que isto é escrita "light", não faço parte das tias ou dos sobrinhos a escrever sobre estados de alma e assuntos amorosos, e nem é a literatura que eles veneram. Como dizia o Pedro D'Anunciação no "Expresso" e eu achei extraordinário: nós os que estamos habituados a ler não podemos gostar de um livro como o "Equador", que tanta gente que não lê gostou. É um "parti pris", uma posição de princípio ideológica, como quem diz que a literatura não é para todos. Se toda a gente gostou do "Equador", desde os professores universitários até aos empregados de restaurante, nós os intelectuais, os que conhecemos a grande literatura, não podemos alinhar nisso. Senão, o que é que nos resta de privilégios? Isto é um argumento absolutamente reaccionário, discriminatório, uma espécie de "apartheid" da literatura. A todos esses críticos furiosos com o sucesso do "Equador" digo com franqueza: não faço ideia se prestei um bom serviço à literatura portuguesa, porque não me cabe a mim julgar. Mas há uma coisa que sei: prestei um serviço à leitura. Levar 300 mil pessoas a ler um livro destes foi obra. E dei muitas horas de prazer a muita gente.
Muito bem. Eu estou para os críticos como o Ferro Rodrigues está para o segredo de justiça.

06/12/03

Tirem-me deste filme 

Vejam a reportagem do Independente sobre os custos, para o Estado, do cinema português. Dá que pensar. Não tenho nada contra os filmes portugueses (até já fui ver uns poucos) mas pensar que filmes que são vistos por menos de 5000 pessoas (a maioria) tem subsidios de mais de 500.000 euros.

Heróis do Mar 

Eu cá não sou supersticioso, mas o pai dela dá me azar!

05/12/03

Friday 

I don't care if Monday's blue
Tuesday's grey and Wednesday too
Thursday i don't care about you
It's friday i'm in love
Monday you can fall apart
Tuesday Wednesday break my heart
Thursday doesn't even start
It's friday i'm in love
Saturday wait
And Sunday always comes too late
But Friday never hesitate...
I don't care if Monday's black
Tuesday Wednesday heart attack
Thursday never looking back
It's Friday i'm in love
Monday you can hold your head
Tuesday Wednesday stay in bed
Or Thursday watch the walls instead
It's Friday i'm in love
Saturday wait
And Sunday always comes too late
But Friday never hesitate...
Dressed up to the eyes
It's a wonderful surprise
To see your shoes and your spirits rise
Throwing out your frown
And just smiling at the sound
And as sleek as a shriek
Spinning round and round
Always take a big bite
It's such a gorgeous sight
To see you in the middle of the night
You can never get enough
Enough of this stuff
It's friday I'm in love

03/12/03

Pois é... 

Percebo perfeitamente o Sebastião, do Sex in Lisbon quando fala sobre amigas e namoradas . Boas amigas boas e namoradas más. É um problema de que eu sofro há muito! E é um problema grave. Muito grave. Quantas vezes não ouvi alguém dizer: " ontem vi-te no (...) estavas muito bem acompanhado....", eu respondo: "pois estava, passei horas a ouvir a (boa) companhia a queixar-se das desgraças da vida (amor), do gajo que não lhe liga nada, do labrego que não para de olhar para ela (pudera, com aquele top!), do "estou gorda?" (pela milésima quarta vez, NÃO estás!), do "ai meus deus que ele está ali e está a olhar pra mim!", e de mil outras queixas e desabafos".
E quando me dizem "anda ali comigo para eu ver uma coisa" e lá vou eu muito ingenuamente até que ela, a minha amiga, encontra "por acaso" um gajo, faz um ar muito surpreendida e desata a falar com ele, deixando-me ali, sem saber o que fazer, a olhar para o ar, a fingir que não oiço a conversa de engate que se desenrola a meio metro de mim. É uma situação extremamente embaraçosa.
E o que é que uma pessoa há de fazer?

02/12/03

Lost cause 

Baby you're a lost
Baby you're a lost
Baby you're a lost cause
I'm tired of fighting
I'm tired of fighting
Fighting for a lost cause

Tuesday 

Tuesday afternoon,
I'm just beginning to see, now I'm on my way
It doesn't matter to me, chasing the clouds away. Something, calls to me,
The trees are drawing me near, I've got to find out why?
Those gentle voices I hear, explain it all with a sigh.
I'm looking at myself reflections of my mind,
It's just the kind of day to leave myself behind.
So gently swaying through the fairyland of love,
If you'll just come with me you'll see the beauty of
Tuesday afternoon, Tuesday afternoon.

01/12/03

1 Dezembro 1640 

O povo gritava no Paço da Ribeira: "Viva D.João, Duque de Bragança!!! Morte ao traidor! Morte ao traidor! Morte a Miguel de Vasconcelos!"

Monday 

Rainclouds came and stole my thunder
Left me barren like a desert
But a sunshine girl like you
It's worth going through
I will never be embarrassed about love again
Tortured winds that blew me over
When I start to think that I'm something special
They tell me that I'm not
And they're right and I'm glad and I'm not
I will never be embarrassed about that again
Oh baby, I'm dreaming of Monday
Oh baby, I'm dreaming of Monday

30/11/03

Coisas 

Ela não é (só) de outro mundo, ela está (sempre) noutro mundo, e nada a traz para este mundo. Por mais que eu tente.

Dia Sem Compras? 

Ontem não comprei nada, portanto aderi ao Dia Sem Compras! Ah, é verdade, comprei um pacote de pastilhas. Mas suponho que isso não conta, por isso vou fazer de conta que aderi! Yupi! Estou tão contente! Estou que nem posso! Contribui para o fim do consumismo desenfreado, do capitalismo e da vida como a conhecemos!
Mas segundo os comerciantes: "Não é preciso um dia sem compras, porque ninguém está a comprar"
Para quando um Dia das Compras Sem Gastar um Tostão? Em que ia-mos ao Centro Comercial e levávamos o que quiséssemos sem pagar nada! A isso sim, eu aderia a 100%!!!

29/11/03

Outros Blogs 

Dois blogs que descobri recentemente: o sex in lisbon e o senhor carne. Adorei-os. Recomendo-os vivamente.

Pena de morte 

Numa aula, o professor, fez uma sondagem sobre a pena de morte. Pensei que, por uma vez, ia estar de acordo com a maioria dos meus colegas. Mas para meu grande espanto fiquei deveras surpreendido com a maioria das respostas. Não estava nada à espera de ouvir o que ouvi. À pergunta és a favor ou contra a pena de morte esperava ouvir muitos contra como resposta. Mas não. A maioria absoluta (uns 3/4) era a favor da pena de morte!
Sabendo que a maioria dos meus colegas são de esquerda (isto na universidade mais conservadora do pais) esperava, naturalmente, que dissessem que eram contra a pena de morte. E eu ia estar de acordo com eles. Coisa muito rara.
Quando chegou a minha vez de responder, disse “sou contra”. És contra a pena de morte??? Tu?? Perguntaram-me. Sou, respondi eu. Mas não é algo em que eu próprio esteja muito convicto. Serei mesmo contra a pena de morte? Não posso garantir a 100%.
Para me convencer que sou, penso na possibilidade de um inocente ser condenado e executado. Sei que é uma hipótese pequena, mas existe. E é algo totalmente irreversível. Sobre este assunto. Não é o mesmo que ser condenado a prisão perpetua, ficar preso 50 anos e depois ser libertado por ter sido provada a inocência.
Estatisticas sobre a pena de morte nos EUA.

28/11/03

Belíssimo 

Excelente texto de Eduardo Dâmaso.

Sonho 

Esta noite tive um sonho muito estranho. Sonhei que tinha sido ferido num pais estrangeiro. Não me recordo se estava em trabalho ou em férias.
Estando eu num estado miserável lembrei-me de telefonar para o 112, para me irem buscar.
Então atendeu-me uma prestável senhora:
112: Qual é a emergência?
Eu: Estou ferido num pais estrangeiro e preciso que me venham buscar!! Mandem-me o Falcon do INEM!!!
112: Desculpe, não percebi??
Eu: Preciso do Falcon, do avião!! Aquele que vai buscar os feridos ao estrangeiro!!!
112: Onde é que o senhor se encontra?
Eu: Estou fora do pais, no estrangeiro!!
112:Qual é o seu ferimento e onde é que está precisamente??
Eu: Estou em Badajoz e fui mordido na mão por um cão!!! O ferimento está feio! Preciso de evacuação imediata!!
(Fez-se um silencio durante alguns segundos)
112: Olhe, vá à merda....

This page is powered by Blogger. Isn't yours?